Política Nacional

Está o COVID-19 a por em causa a democracia e a liberdade em nome da segurança?

Estará a nossa Liberdade em risco com o COVID-19? Ter mais segurança implica perder direitos? Estas e outras perguntas serão respondidas neste debate com Francisco Teixeira – Professor de Filosofia, ESFH e ULP, João Duque – Teólogo, presidente do Centro Regional de Braga da UCP e Moisés de Lemos Martins – Sociólogo, Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da UM, com moderação – Rui Dias.

Maioria dos portugueses defende que uso de máscara deveria ser obrigatório

Os resultados da mais recente sondagem do Barómetro COVID-19 da Marktest mostram que 25% dos portugueses admitem conhecer alguém infetado com o novo coronavírus. Destaca-se o facto de 38% dos residentes na região do Grande Porto conhecerem alguém infetado por Covid-19.

 

A pior recessão económica desde a Segunda Guerra Mundial

O PIB nacional pode recuar -8% este ano e economia só deve voltar ao normal em 2021

As medidas tomadas para conter a propagação do novo coronavírus poderão resultar numa recessão de -8% em 2020, estima a Euler Hermes, acionista da COSEC – Companhia de Seguro de Créditos, que antecipa ainda que a economia portuguesa só deverá regressar à normalidade em 2021, depois de existir no mercado uma vacina. No cenário mais otimista, no próximo ano o PIB pode crescer 9%.

Manter o foco nas pessoas e no combate à pandemia

Manter o foco nas pessoas e no combate à pandemia, sempre do lado da construção de soluções.

Com o contributo de muitos, o Baixo Alentejo tem apresentado uma baixa incidência de contágio e de mortalidade, no atual quadro pandémico, sendo importante que o esforço individual de proteção e de reajustamento dos comportamentos e a mobilização de vontades para a ação continue.

Setor do olival moderno alentejano não despediu nem recorreu a layoff

O setor do olival moderno no Alentejo não recorreu, até ao momento, à dispensa de trabalhadores ou ao sistema de layoff criado pelo Governo para fazer face às dificuldades de tesouraria por que passam milhares de empresas portuguesas em contexto de pandemia, estado de emergência e confinamento generalizado.

Agricultores do Alentejo e transformadoras doam 5 toneladas de trigo ao Banco Alimentar

Os Cereais do Alentejo, a Germen e a Cerealis acabam de entregar à Rede de Emergência Alimentar, promovida pelo Banco Alimentar Contra a Fome, quatro toneladas de farinha e uma tonelada de massa produzidas a partir de trigo do Alentejo.

É urgente assumir de forma plena a liderança deste momento

Após 2 meses de confinamento social e de paragem quase total da economia, a crise sanitária dá origem à crise económica que, por sua vez, dá origem uma grave crise social.

As necessidades das famílias começam a expressar-se de forma mais veemente e os muitos casos de carência são já evidentes, estando as diversas organizações de apoio a reforçar as suas respostas à comunidade. Obviamente que o apoio social a cada pessoa tem de ser garantido, mas não irei abordar agora esta questão.

Almaraz - a central nuclear mais próxima do Alentejo aberta até 2028

Almaraz é a central nuclear espanhola mais próxima do Alentejo, a 110km, foi esta semana autorizada pelo Conselho de Segurança Nuclear (CSN) espanhol a estar aberta até outubro de 2028. O seu período de vigência terminava em junho deste ano.

Propriedade da Iberdrola, Endesa e Naturgy, está em funcionamento desde 1981 e teria uma vida útil de cerca de 40 anos, no entanto, tem apresentado várias falhas e avarias, levando mesmo a vários alertas por parte das associações ambientalistas, eurodeputados portugueses e até a pedidos de explicação por parte do governo português.

 

Estado vai apoiar a fundo perdido restaurantes e pequenos negócios

Os restaurantes e outros pequenos negócios podem preparar-se para aceder aos novos incentivos à adaptação das microempresas ao contexto Covid-19.

Estes incentivos, que são fundos comunitários do Portugal 2020, não reembolsáveis, prometem pagar até €5.000 dos gastos com máscaras e demais despesas que os pequenos negócios estão a fazer para se ajustarem às novas regras impostas pela pandemia.

Governo ativa 77 Postos de Vigia contra incêndios

Foram ontem ativados os primeiros 77 Postos de Vigia da Rede Nacional de Postos de Vigia, coordenada pela Guarda Nacional Republicana e integrada no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais de 2020, no âmbito da Vigilância e Deteção.

Estes 77 postos constituem a Rede Primária, que estará ativa até ao dia 6 de novembro e para a qual foram contratados mais de 300 operadores de vigilância, que asseguram o seu funcionamento 24 horas por dia, segundo comunicado da do Ministério da Administração Interna.

Páginas