26 Fevereiro 2021      10:28

Está aqui

Um palco sem asas

Pouco mais do que uma criança, comecei a apaixonar-me pelo tabuleiro de xadrez. Os jogos noturnos entre o meu pai e o meu irmão mais velho, ambos amadores apaixonados, eram um ritual doméstico de suspensão silenciosa da passagem do tempo e dos acontecimentos. Logo aprendi as regras, que não são complexas, e em pouco tempo comecei a sentir, antes mesmo de entender, que este jogo com mais de mil e quatrocentos  anos, na realidade não é simplesmente um jogo. Os sessenta e quatro quadrados são um palco sem asas, no qual se concretiza uma elegante, estilizada e cruel metáfora da vida e do que se passa na mente e na alma do jogador: a violenta competição pela sobrevivência e autoafirmação através da derrota do adversário. Ao contrário dos jogos de cartas - que são distribuídas aleatoriamente e mantidas em segredo  na mão - aqui, o destino só decide inicialmente a cor e não há gesto ou situação que não seja visível.

No início do jogo, a escolha é entre 18 primeiros movimentos possíveis, que logo aumentam do ponto de vista teórico, mas na realidade diminuem porque são interceptados ou orientados pelos movimentos do adversário. A emoção torna-se mais forte quando o jogador consegue conduzir o adversário - ou percebe que foi conduzido por ele - por um caminho onde a variedade de escolhas possíveis e aparentemente equivalentes começa a diminuir. O tabuleiro de xadrez não tem espaços irrelevantes ou remotos, ele enche-se de traços virtuais e implode.

Somente a previsão lógica, tão extensa quanto possível ao longo de cada um dos ramos das várias escolhas subsequentes, as tuas e as do oponente, te permite vencer ou sobreviver ao ataque. Às vezes, um lampejo de imaginação salva-te, outras vezes percebes, depois de uma breve ilusão, que o oponente implacável tinha tido em conta este gesto teu. É um esforço intenso, agradável e ao mesmo tempo doloroso, no qual o desafio do xadrezista é dirigido a si mesmo e simultaneamente o adversário, muito mais do que acontece noutros jogos. Aqui, como no bom teatro, a encenação envolve profundamente os atores, às vezes com efeitos persistentes mesmo depois da cortina  cair.

Apesar de continuar fascinado pelo tabuleiro de xadrez até hoje, com o prazer de jogar uma partida de vez em quando, felizmente nunca me tornei realmente bom. No meu julgamento de agora, isso protegeu-me da atração do sucesso que muitas vezes assola a vida dos adolescentes, e dos efeitos perigosos que eu sempre temi – instintivamente -  que pudessem encontrar seu caminho ou despertar na mente do jogador de alto nível.

No decorrer dos anos, a leitura abriu-me algumas janela sobre o que havia intuído. Conheci Hans Mayer (1) e seu professor e pai adotivo Tabori, um judeu que só sobreviveu graças a jogos forçados de xadrez com o comandante do campo de concentração, onde as apostas do jogo eram a morte de outros prisioneiros. Tive a impressão de que algumas de suas frases poderiam ter sido minhas:

“Quem não está familiarizado com o xadrez tende a ver neste jogo uma atividade enfadonha, própria para excêntricos ociosos ou idosos: pessoas que, em todo caso, têm muita paciência e muito tempo a perder. Tudo isso é apenas parcialmente verdadeiro, já que o xadrez também requer uma energia incomum e o frescor mental de uma criança. E, se por vezes o jogador é retratado sob a forma de um velho com o sobrolho franzido, esta é apenas a representação emblemática de uma atividade em que dias, anos e a própria existência são queimados numa única chama inextinguível. Em troca, paradoxalmente, o jogador de xadrez saboreia a paragem do tempo na ansiedade do eterno presente. Quando, por outro lado, ele está longe do tabuleiro, então a vida parece-lhe intoleravelmente rápida, e ele tenta encontrar o mais rápido possível o seu estado de graça, aquela nebulosa e ao mesmo tempo lúcida condição de supremacia que a ele é dada para saborear apenas quando a sua mente se concentra no jogo."

“O tempo que meditava sobre o que fazer foi suavemente desvinculado do tempo real, não tinha mais nada a ver com a contagem dos minutos, o tique-taque das horas, o tique-taque dos relógios e o desgaste dos mecanismos , já que era puro presente ... "

“Cada escolha implica, em si mesma, o abandono de todas as alternativas. Se não fossemos obrigados a escolher, seríamos imortais. "

Mais tarde conheci Lužin (2), em S. Petersburgo, no início do século XX; uma criança prodígio no jogo de xadrez, com sua vida infeliz sem identidade e sem verdadeiros afetos, nem depois, amores verdadeiros, num mundo que consegue compreender. Após um colapso nervoso durante um jogo importante e uma convalescença em um hospital psiquiátrico, o jovem retoma a vida cotidiana aplicando a lógica do xadrez contra um oponente imaginário. Depois de um casamento infeliz, ele cai na misantropia e na loucura ao ponto do suicídio.

Finalmente, encontrei-me com o misterioso Doutor B numa viagem de transatlântico entre Nova York e Buenos Aires, por volta de 1942(3). A bordo estava Mirko Czentovič, um famoso campeão de xadrez. Entre os que o desafiaram para partidas amistosas, apenas o Doutor B conseguiu vencê-lo e numa única partida.

Alguns anos antes, durante o Anschluss, esse médico austríaco desconhecido tinha sido preso pela Gestapo como suposto oponente político. Há muito que ele estava confinado a um quarto de hotel, no qual não havia absolutamente nenhum objeto, nada para observar ou fazer, enquanto o único contacto com o mundo fora da célula, eram os interrogatórios periódicos: a tortura física substituída pela tortura mental. O médico teria enlouquecido se não tivesse conseguido - com risco de vida - roubar da sobrecapa de um dos oficiais um livro que continha cento e cinquenta jogos memoráveis de xadrez dos melhores jogadores do mundo.

A sua mente foi ativada, e ele criou um tabuleiro de xadrez mental, modelou pedaços de papel e, depois de memorizar todas as partidas, inventou novas, vindo a jogar contra ele mesmo. Em suma, esse exercício tornou-se uma obsessão descontrolada: o dia inteiro nada mais era do que um cálculo espasmódico de todas as combinações possíveis que podiam ser inventadas, e a excitação nervosa continuava durante o sono. Libertado da prisão, lutou para se libertar desse delírio, não jogava mais xadrez para não cair nele. Embora o Doutor B tenha medo de que enfrentar Czentovic possa ser prejudicial à sua saúde mental, pois uma vez que ele só quer experimentar o que significa jogar contra uma pessoa real, ele quer entender se ele já estava louco naquela célula ou se ainda está deste lado daquele limiar perigoso.

 

Agradeço aos autores:

(1) La variante di Lüneburg é um romance de Paolo Maurensig, publicado em italiano em 1993 (A variante Lüneburg, Companhia das Letras; 1994).

(2) A Defesa de Lužin é um romance de Vladimir Nabokov, escrito em russo em 1929 e publicado em 1930. (A defesa Lujin, Companhia das Letras; 2008).

(3) Schachnovelle, 1941 é o último conto escrito (em língua alemã) por Stefan Zweig antes de seu suicídio, ocorrido em fevereiro de 1942. (Novela de Xadrez, Livros do Brasil; 2017).

-----------------------------------------------------------

Nota do editor: Giuseppe Steffenino, natural do noroeste da Itália, está ligado a nós pela admiração que ele tem a Portugal e ao Alentejo em particular, onde, com a sua companheira, Manuela, foram salvos de um afogamento numa praia o ano passado. Aqui e ali a pandemia está a mudar a nossa maneira de viver e pensar. Esse médico com barba branca, apaixonado por lugares estrangeiros e um pouco idealista, interpreta este tempo curvo, oferecendo-nos os seus sonhos, leituras, viagens, lembranças, pensamentos, perguntas, etc.

 

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.