23 Outubro 2020      10:42

Está aqui

Ponte de Sor vai produzir aeronaves ligeiras e criar 1200 empregos

O Aeródromo Municipal de Ponte de Sor, em Portalegre, vai acolher a produção da primeira aeronave ligeira integralmente feita em Portugal, cujo primeiro protótipo deverá estar concluído em 2023, avançou o município à Lusa.

Hugo Hilário, presidente da autarquia, falava à Lusa após o encerramento do primeiro dia da cimeira aeronáutica Portugal Air Summit, que decorre até ao dia de hoje, sexta-feira, na cidade alentejana. “A parte da industrialização da aeronave será em Ponte de Sor, devido às condições do aeródromo”, referiu.

A fábrica que vai ser construída no Aeródromo Municipal de Ponte de Sor está integrada no Programa ATL-100, o primeiro programa aeronáutico completo de Portugal e que envolve o CEiiA - Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto, e a empresa brasileira DESAER, fundada por antigos quadros da construtora aeronáutica Embraer.

O autarca esclareceu que o projeto vai criar 1200 postos de trabalho, que serão repartidos pelo centro de engenharia que este programa está a desenvolver no Parque do Alentejo de Ciência e Tecnologia, em Évora, e também numa outra área em Beja.

De acordo com Hugo Hilário, “este projeto vai criar 1200 postos de trabalho, não todos em Ponte de Sor. O centro de engenharia vai ser em Évora, prevê-se também alguma atividade em Beja no âmbito deste triangulo aeronáutico Ponte de Sor, Évora e Beja, mas desses postos de trabalho, aquilo que eu penso, é que a maior parte vai ser em Ponte de Sor, mas não vou quantificar”.

Recorde-se que o projeto luso-brasileiro que vai desenvolver, fabricar e operar uma aeronave ligeira integralmente feita em Portugal, a partir do Alentejo, foi apresentado no dia 25 de setembro em Évora. Na altura, foi anunciado que a previsão para a comercialização do primeiro avião seria “no final de 2025 ou início de 2026”.

O Programa ATL-100, o primeiro programa aeronáutico completo de Portugal, “prevê quatro protótipos” da nova aeronave ligeira que vai ser construída, sendo que a “planificação prevê que o roll-out do primeiro aconteça no final de 2023”, informou na altura Miguel Braga, diretor do CEiiA - Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto.

Este programa, que prevê o envolvimento de “mais de 30 empresas e universidades nacionais e internacionais, nomeadamente ligadas aos programas como o MIT”, envolve um investimento global estimado na ordem dos “164 milhões de dólares”, ou seja, à volta de 140 milhões de euros, afirmou o diretor do CEiiA.

O investimento conta com financiamento de fundos comunitários, nomeadamente através do programa operacional regional Alentejo 2020, “mas a grande fatia” do montante “vai ser assegurada pela DESAER e pelo CEiiA e, numa segunda linha, por investidores”, sobretudo internacionais.

A ATL-100 é uma aeronave “de transporte leve, para operar em pistas com condições não muito exigentes, com um alcance de 1600 quilómetros”, e que poderá “transportar até 19 passageiros”, mas que “em duas horas pode ser transformada”, passando para carga ou vice-versa, sendo “uma alternativa para zonas menos desenvolvidas do ponto de vista de infraestruturas, em África ou na América do Sul”.

 

Fotografia de aereo.jor.br

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.