30 Outubro 2020      17:18

Está aqui

Perder para ganhar

Por Ricardo Jorge Claudino

Perco-me;

às vezes nas palavras,

frequentemente no interesse.

.

Todos os dias

insisto em me perder no tempo.

E perco-me nas ruas

das maiores cidades do mundo;

não com tanta frequência

como todas as vezes que me perco

nas travessas das mais pequenas

aldeias alentejanas; também elas

perdidas no tempo, embora

não por vontade própria.

.

Também me perco

nas lembranças que se

perdem de mim.

Lembro todos os meus avós

que perdidos permanecem no silêncio.

Entro nas suas histórias longínquas,

agora enaltecidas pelos vivos.

.

Esta sensação não cabe dentro de mim;

é boa porque aprendo a recordar

e é má porque é preciso

perder para ganhar.

.

Sou actor do filme que eu próprio crio,

contraceno com crianças

que um dia serão meus pais

e com jovens adultos sem pele enrugada

− a mesma que mais tarde me habituara

a beijar.

.

Quem me dera gritar fora do guião:

− Avô, avó!

Sou eu, um dos vossos netos do futuro!

Abracem-me!

.

Mas contenho-me.

Tenho medo de mudar a história

e nunca mais poder vir a nascer.

.

Os meus antepassados,

para se tornarem antepassados,

deixaram-se perder.

Ou então apenas passam os dias

a viajar no presente.

Acho que se cansaram de ser gente;

nos últimos anos que cá estiveram

impaciência era o que todos tinham em comum.

.

São inteligentes, ainda aqui estão,

como tantos outros avós

que viajam pelo mundo e

brilham na forma mais humana:

de se parecerem com Deus.

(um poema do livro “A Cor Do Tempo” de Ricardo Jorge Claudino)

Imagem de capa de catracalivre.com

......................................

Ricardo Jorge Claudino nasceu em Faro em 1985. Actualmente reside em Lisboa. Mas é Alentejo que respira, por inigualável paz, e pelos seus antepassados que são do concelho de Reguengos de Monsaraz. Licenciado em Engenharia Informática e mestre em Informação e Sistemas Empresariais pelo Instituto Superior Técnico de Lisboa. Exerce desde 2001 a profissão de programador informático.Também exerce desde que é gente o pensamento de poeta.

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.