22 Maio 2020      07:01

Está aqui

As Oliveiras Falam

As oliveiras falam através do tempo.

Não é por isso que as invejo;

é, sim, por terem passado por tanto

ou tão pouco,

sem nunca moverem raízes.

 

Escuto-as

sem pressa de abalar.

Ramos milenares sustentam

os mais atrevidos pássaros cantantes;

A mando de quem vieram

para me agoirar?

 

Nesse instante

o tempo faz-se.

 

Percebo que tudo é parte da melodia.

Os pássaros, as galinhas, os perus,

os cães, os porcos, os leitões, as ovelhas,

nós e tu.

 

Enquanto a vida acontece,

o vento embala as folhas pontiagudas

e faz soar o toque que faltava.

Melancolicamente escuto

a mais harmoniosa sinfonia.

 

Pergunto-me,

são vozes intemporais?

são séculos e milénios imortais?

são histórias que os livros não nos contam?

são poesias?

 

Não preciso serrar um tronco e contar

os anos que descortinam a sua idade,

velhice não é experiência,

é apenas a sabedoria da efemeridade.

 

Por favor, traduzam-me

as palavras sábias deste olival.

E rápido…

antes que a música acabe,

antes que o tempo termine sem cor.

 

Ricardo Jorge Claudino nasceu em Faro em 1985. Actualmente reside em Lisboa. Mas é Alentejo que respira, por inigualável paz, e pelos seus antepassados que são do concelho de Reguengos de Monsaraz. Licenciado em Engenharia Informática e mestre em Informação e Sistemas Empresariais pelo Instituto Superior Técnico de Lisboa. Exerce desde 2001 a profissão de programador informático.Também exerce desde que é gente o pensamento de poeta.

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.