17 Maio 2019      15:16

Está aqui

Nick Cave: Skeleton Tree

Numa era em que se pede tanto, uma coisa ninguém tem o direito de pedir: que se assista ao funeral de um filho e se sobreviva. Culpa máxima e ilimitada! Criar vida para a morte certa, do vazio da inexistência para o vazio pós-morte por um único caminho possível, assente nessa consciência. Impulso leviano (ao coração, se lhe fosse dado pensar pararia, proferiu Pessoa) cravado nos genes com uma força mil milhões de vezes superior à força sub-atómica, tirania escondida bem lá no fundo do que quer que seja – e logo verborreia travestida em desígnio e convencimento de si… Morrer primeiro, ao menos isso.

Nick Cave viu um filho morrer, sabia o que todos sabemos, enfim, um pouco mais do que a maioria, e ainda assim tentou. Eis parte do resultado – a parte que nos convém, num tipo que, entretanto e naturalmente, se desordenou:

“Sunday morning, skeleton tree

Oh, nothing is for free

In the window, a candle

Well, maybe you can see

Fallen leaves thrown across the sky

A jittery TV

Glowing white like fire

Nothing is for free

I called out, I called out

Right across the sea

But the echo comes back in, dear

And nothing is for free

Sunday morning, skeleton tree

Pressed against the sky

The jittery TV

Glowing white like fire

And I called out, I called out

Right across the sea

I called out, I called out

That nothing is for free

And it's alright now

And it's alright now

And it's alright now.”

 

Imagem de radiorara.cl

Siga o Tribuna Alentejo no  e no Junte-se ao Fórum Tribuna Alentejo e saiba tudo em primeira mão

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.