16 Maio 2020      10:58

Está aqui

Maldita propaganda - não há passageiros na linha Évora-Caia

Não vai haver transporte de passageiros na Linha de Comboios Évora – Caia

A maldita propaganda!

Apesar de muitas declarações de vários governantes terem garantido que a Linha de Comboio Évora – Caia, para além do transporte de mercadorias, seria utilizada para transporte de passageiros, tivemos a confirmação nos últimos dias que tal não acontecerá.

Segundo noticiado em órgãos de Comunicação Social nacionais, as Infraestruturas de Portugal que se encontra a construir no Alentejo a nova linha Évora – Badajoz, ignorou a estação de Elvas, que fica de fora da nova linha e também não prevê a construção de uma nova estação.

Uma forte contradição em relação a todas as garantias dadas no passado pelo Governo. Mas sobretudo, uma forte contrariedade para as necessidades e desenvolvimento da Região Alentejo.

Já em 2016, o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas informava o seguinte: ´´Apesar de vocacionada para o transporte de mercadorias, a linha Évora – Caia deverá ter comboios de passageiros que darão ligação em Badajoz aos comboios de alta velocidade para Madrid. Segundo o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, ´´Lisboa ficará a duas horas de Badajoz e Évora a apenas 30 minutos``.

Eu próprio (num período em que desempenhava funções como deputado à Assembleia da República) tive a oportunidade de apresentar o Projeto de Resolução n.° 1681/XIII/3ª (PSD) - “Recomenda ao Governo que adote medidas que assegurem a paragem de comboios de mercadorias no Alentejo, nomeadamente em Évora, Vendas Novas e zona dos mármores (Estremoz, Borba, Vila Viçosa e Alandroal), mas também, a utilização de toda a linha no âmbito do transporte de passageiros.” a recomendar a utilização desta linha, como linha para passageiros. Esse Projeto de Resolução foi aprovado.

Também tive a oportunidade de questionar os diferentes Ministros do Planeamento e das Infraestruturas sobre esta matéria. Foi sempre confirmado que a linha seria utilizada, também, para passageiros.

Na minha perspetiva, as virtudes deste projeto são claramente incontestáveis, mas existem um conjunto de intervenções ao longo do projeto que nunca estiveram devidamente clarificadas em todos os documentos oficiais. Estas novas informações vão precisamente nesse sentido.

 No que respeita às paragens dos comboios de mercadorias, mas também a utilização de toda a linha no âmbito do transporte de passageiros, a clarificação formal nunca foi feita. Sempre referi que esta Linha Sines - Caia tem que servir verdadeiramente a região, quer garantido a criação de estações de mercadorias no território, mas também a utilização para passageiros, na ligação Évora – Caia.

Não havendo esta garantia, muito menos a concretização destas componentes do projeto, o Alentejo vai ficar a ver os comboios a passar.

O próprio primeiro-ministro, António Costa, considerou a 11 de fevereiro de 2019 “fundamental” que o Alentejo não fique a “ver os comboios passar” com a linha ferroviária do Corredor Internacional Sul Sines-Elvas (Caia) e defendeu a fixação de empresas na região. Também defendeu a utilização da linha para passageiros.

Agora sabemos que tudo não passou de muita propaganda.

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.