17 Abril 2021      08:51

Está aqui

Évora e Portalegre com grandes disparidades no custo da água, Beja com a tarifa fixa mais baixa do país

 A Associação Portuguesa de Famílias Numerosas (APFN) realizou a  6ª edição do Estudo Comparativo dos Tarifários de Abastecimento de Água de Portugal, e o ano de 2020 comprovou aquilo que a associação considera como uma “discriminação no custo da água para as família de maiores dimensões.” 

Em comunicado, a associação dá o exemplo de Montemor-o-Novo, onde uma família de 7 pessoas paga um total pela água (35,22€/mês) doze vezes mais do que uma pessoa sozinha (2,85€/mês), para o mesmo consumo por pessoa.

Segundo este estudo, os distritos de Évora e Beja apresentam disparidades gigantescas de concelho para concelho e o distrito de Beja tem, em média, a tarifa fixa mais baixa do país.

No distrito de Évora, a  tarifa fixa de abastecimento de água de está em  em 2,20€, abaixo dos 3,23€ da média nacional, no entanto, a tarifa variável de abastecimento registou uma média de 0,87€ por m3 consumido, valor acima do preço médio do país (0,81 € por cada m3 de água consumida).

No distrito de Portalegre existem também grandes disparidades, dando aqui a APFN o exemplo de Marvão, onde uma família de 7 pessoas paga um total pela água (29,37€/mês), quase onze vezes mais do que uma pessoa sozinha (2,70€/mês), para o mesmo consumo por pessoa.

Quanto ao município de residência, a associação concluiu que uma pessoa paga por mês 2,45€ se viver no município de Ponte de Sor, mas que paga três vezes mais, 7,86€, se viver no município de Portalegre.

Ainda pela negativa, o distrito norte-alentejano apresenta um preço médio da tarifa variável de abastecimento de água de 0,94 €/m3 de água consumida, ultrapassando a média nacional que se cifrou em 0,81 €/m3.

Quanto ao preço médio da tarifa fixa de abastecimento de água do distrito de Portalegre os sinais são positivos, segundo os relatos enviados à nossa redação, sendo que  se situa nos 1,99€ por mês, abaixo do preço médio nacional - 3,23€ por mês.

O distrito de Beja destaca-se por apresentar a média da tarifa fixa da água mais baixa do país em 2020, no entanto, apresentam também um exemplo negativo, desta vez a autarquia de Ferreira do Alentejo, onde uma família de 7 pessoas paga um total pela água (27,42€/mês) dezanove vezes mais do que uma pessoa sozinha (1,44€/mês), para o mesmo consumo por pessoa.

 O preço médio da tarifa fixa de abastecimento de água em 2020, no distrito, cifrou-se em 1,80€ por mês, valores que situam Beja como o distrito nacional com o valor médio mais baixo.

Com estes estudos comparativos, a  APFN pretende corrigir distorções no custo da água em Portugal  e entende que, face a 2019, o nível de justiça do custo da água sofreu um recuo, existindo um agravamento da discriminação ao nível do local de residência das famílias, através de um aumento das disparidades do preço base da água.  

Defende que deve ser considerado o consumo “per capita” de cada casa (com todos os elementos que nela habitam, descendentes e ascendentes) e não o consumo total, para que efetivamente um copo de água custe o mesmo para todos. 

A metodologia usada neste estudo foi a análise dos tarifários da água em vigor a 31 de dezembro de 2020 nos 308 municípios portugueses e tem por base os seguintes pressupostos: o consumo diário per capita foi estabelecido em 120 litros de água/dia - 3,6 m3/mês*;  componentes: variável e fixa, do tarifário de abastecimento de água para consumo doméstico; foram apenas considerados os Tarifários familiares de aplicação universal e a análise baseou-se nos preços sem IVA incluído.

A análise da equidade do acesso à água foi avaliada calculando o custo real da água (fator fixo e fator variável) para um consumo mensal de 3,6 m3 (120 litros/dia) por pessoa e para dez dimensões familiares diferentes (de 1 a 10 pessoas).   

 

Imagem de sgicompliance. no

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.