6 Dezembro 2019      10:07

Está aqui

Estradas principais do Alentejo estão a afetar Corujas-do-mato

A dissertação da estudante Shirley van der Horst, no âmbito do Mestrado em Biologia de Conservação da Universidade de Évora (UÉ), sob a orientação de Rui Lourenço, investigador do ICAAM, foi a base de um estudo publicado no European Journal of Wildlife Research, no qual se avaliaram os efeitos da proximidade de estradas (principais e secundárias) na abundância de corujas-do-mato no Alentejo Central entre 2005-2016.

Segundo nota da Universidade de Évora a dissertação de mestrado da estudante Shirley van der Horst, propunha-se a determinar se na proximidade de estradas (principais e secundárias) as corujas-do-mato ocorrem em menor abundância e apresentam uma tendência populacional mais negativa comparativamente com os locais mais distantes, porventura próximos de estradas rurais. Trata-se de uma questão relevante para a gestão do território com vista à conservação da biodiversidade na medida em que os diferentes efeitos causados por estradas principais e secundárias têm expressão temporal e espacial, e esses aspetos raramente têm sido considerados por investigadores. As evidências reunidas neste estudo sugerem que diferentes tipos de estradas têm diferentes efeitos de perturbação nas populações de coruja-do-mato, podendo reduzir os seus efetivos ou tornando as suas abundâncias mais instáveis no tempo.

O estudo de Shirley van der Horst e coautores mostra que em zonas florestais distantes das estradas as corujas-do-mato são normalmente mais abundantes, exibem uma reduzida variação na ocupação dos locais e as suas populações são tendencialmente mais estáveis. As estradas principais, pelo contrário, prejudicam a qualidade do habitat das corujas limitando a sua abundância e ocupação do local e levando a uma tendência negativa das populações devido a mortalidade adicional por atropelamento e/ou outras perturbações. As estradas secundárias não prejudicam severamente a qualidade do habitat permitindo uma ocupação inicial e, por vezes, a ocorrência de densidades relativamente altas. Todavia, podem atuar como armadilhas ecológicas revelando instabilidade na ocupação ao longo da época de reprodução e uma tendência negativa da população.

Este estudo traz um novo olhar sobre os efeitos de diferentes tipologias de estradas em populações de aves ao longo de vários anos, utilizando a dinâmica populacional de corujas-do-mato como um estudo de caso.

 

Imagem de capa de http://rias-aldeia.blogspot.com/ - RIAS - Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens, Olhão, com Thijs Valkenburg

 

 

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.