17 Agosto 2018      11:42

Está aqui

Deu o corpo às balas

O guarda-redes deu, literalmente, o corpo às balas.

Foi assim que o comentador de um canal de televisão se referiu à defesa corajosa do guarda-redes do Peru num jogo do mundial de futebol.

Todos sabemos que o mundo da bola é prodigo em dribles à gramática, mas este é um drible que está na moda, um drible que chega às quatro linhas de Portugal inteiro.

Mas é uma finta dramática, daquelas que partem os rins aos defensores da língua portuguesa.

O sentido literal das coisas, o «literalmente», aplica-se quando a expressão está limpa de metáforas, quando a expressão não tem um sentido para além do que é dito.

Ora, para o guarda-redes ter, literalmente, dado o corpo às balas, teria de existir uma arma efetiva em campo e o agente da ação teria de se colocar na linha do disparo bélico. Isso não aconteceu. O que aconteceu, literalmente, foi que o guarda-redes do Peru se colocou na frente da bola rematada com força pelo jogador adversário.

Usa-se a abusa-se do termo “literalmente” sem a preocupação do rigor, sem a preocupação de se preservar a correção do discurso. Podemos considerar que o desporto em geral e o futebol em particular é emoção, e que no calor do momento as palavras ganham vida e fogem do emissor sem a fiscalização da razão. Isso é aplicável ao adepto, mas não o pode ser a quem tem responsabilidades, a quem narra os acontecimentos para o mundo, a quem, inconscientemente, está a espalhar a asneira, está a fomentar a incorreção, está a subverter o rigor da língua pátria e está a alimentar a moda do literalmente ignorante.

«O guarda-redes deu, metaforicamente, o corpo às balas.»

 

 

Imagem de exitosanoticias.pe

 

 

Siga o Tribuna Alentejo no  e no Junte-se ao Fórum Tribuna Alentejo e saiba tudo em primeira mão

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.