11 Julho 2020      15:11

Está aqui

Covid-19: Reguengos e Mourão contra encerramento de fronteiras

José Calixto e Maria Clara Safara - autarcas de Reguengos e Mourão

Dois autarcas espanhóis de Villanueva del Fresno e Valencia de Mombuey pediram à Delegação do Governo espanhol na Estremadura o encerramento das fronteiras situadas nas suas áreas municipais, pelo menos até que exista um protocolo transfronteiriço para o controlo da covid-19.

Esta posição vem contrariar o estabelecido entre os Governos dos dois países e que mereceu uma cerimónia de abertura de fronteiras com a presença do Presidente da República português e o do Rei espanhol, além de ambos os primeiros-ministros.

José Calixto, o autarca de Reguengos de Monsaraz, revelou que não faz sentido este fecho de fronteira, revelando que os homólogos espanhóis devem informar-se junto da Autoridade de Saúde Pública Portuguesa de modo a ficar esclarecidos, sendo que não faz sentido a existência de um cerco sanitário ou confinamento mais drástico, uma vez que deixou de haver novos casos na comunidade e todos os casos detetados nos últimos 10 dias já estavam previamente confinados.

O autarca reguenguense defendeu também que, quando foi Espanha que esteve numa situação pior que Portugal, do lado de cá da fronteira se manteve a calma e não se pediu o fecho das fronteiras.

No mesmo sentido, pronunciou-se Maria Clara Safara, a autarca de Mourão - o concelho português que faz fronteira com Villanueva del Fresno – revelou que não concordava com esta posição dos homólogos espanhóis e que é até injusta, uma vez que quando a situação epidemiológica esteva pior em Espanha, foi uma das batalhas da autarquia abrir a fronteira para os trabalhadores transfronteiriços.

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.