Está aqui

Artigos publicados

MESTRES NA ARTE DA FUGA

Respeitável público! Senhoras e senhores, meninas e meninos, sejam bem-vindos ao nosso magnífico espetáculo de fazer sumir milhões! Assistam a mais uma incrível fuga ao controlo do fisco. Atenção estimado público! Dentro de instantes 10 mil milhões de euros irão escapar sob o vosso olhar. E… já está! Já está! Que performance, verdadeiramente admirável. Portugal está boquiaberto de pé a aplaudir. Mas que atuação arrebatadora, um show como este só encontra rivalidade nas memoráveis atuações do Houdini, o Grande Mestre na Arte da Fuga.

O TRIUNFO DA MEDIOCRIDADE

Ao nosso tempo, a transformação da realidade, de factos e evidências resulta na mais maléfica e evidente manifestação de louvor à “meritocracia da mediocridade”, segundo a qual tudo se reduz à conciliação de meros interesses individuais, sustentados por perspetivas subjetivas. Nunca, como agora, se viu tamanha recompensa à mediocridade e tamanho culto às regalias mais execráveis.

MAIS DIA MENOS DIA ISTO AQUECE

As promessas eleitorais, polémicas e discutíveis, de Donald Trump estão a ser cumpridas dia após dia e a cada ordem executiva Trump deixa o mundo pasmo e entorpecido.

Reconheço toda a soberania aos Estados Unidos da América (EUA) e legitimidade política ao caminho escolhido. No entanto, não posso deixar de manifestar preocupação e insatisfação quando os assuntos ultrapassam o limite aceitável de coabitação no “condomínio Terra”.

ALMARAZ, NÃO OBRIGADO!

A questão da energia nuclear volta a estar em cima da mesa em Portugal. No dia 12 de janeiro último, movimentos cívicos e ambientalistas, portugueses e espanhóis, manifestaram-se, em Lisboa, contra a construção de um novo armazém para resíduos nucleares e contra a continuação do funcionamento da central de Almaraz para além de 2020.

DOZE MESES DE DESAFIOS E OPORTUNIDADES

A grande maioria dos sinais que nos chegam, através dos meios de comunicação, levam a crer que 2017 possa vir a ser identificado como um ano disruptivo e incerto. Há cem anos o mundo caminhava para o fim das monarquias e dos impérios, mergulhado em guerras e conflitos. 1917 foi um ano de revoluções e incertezas.

Atualmente, um pouco por todo lado, o sentimento generalizado de injustiça económica, alimentado pela desilusão de uma vida melhor, encontra terreno fértil para o desenvolvimento de uma insatisfação difusa expressa por aversão, hostilidade, repúdio ou ódio aos imigrantes.

O CUSTO OCULTO DO NATAL

Na época natalícia o consumo imediato, impulsivo e irrefletido aumenta mais do que em qualquer outro período do ano. Durante este período, é gerada uma grande quantidade de resíduos orgânicos e de resíduos recicláveis como embalagens de cartão, papel e vidro. Todo esse aumento de consumo gera um enorme impacte ambiental que é responsável pela maior pegada de carbono individual diária registada ao longo do ano.

TRANSIÇÃO ENERGÉTICA

Chegamos a 2016 com a clara noção de que a humanidade está a perder o combate contra as alterações climáticas. Se é unânime a urgência em reduzir as emissões de dióxido de carbono (CO2), a prática demonstra exatamente o contrário, sendo mais evidente nas posições tomadas pelos Estados Unidos e pela China nesta matéria. Contudo, também na Europa pouco tem sido feito para reduzir o consumo de carbono no sector energético. A redução das emissões fica a dever-se mais aos efeitos da austeridade do que a um acto voluntário em matéria de transição energética.

A ASCENSÃO DO POPULISMO QUE ESTARRECE A EUROPA

Depois da “Trumpalhada” de Hillary os velhos fantasmas europeus estão de volta. A eleição de Donald Trump desencadeou, um pouco por todo o mundo, um terramoto político, que para já teve a virtude de avivar, encorajar e empolgar os partidos populistas europeus, tanto os de direita como os de esquerda.

A DERRUBAR E A ERGUER MUROS HÁ DÉCADAS

A 9 de novembro de 1989, depois de 28 anos de existência, o muro de Berlim caiu. Faz hoje 27 anos. Mas, por detrás dessa cortina simbólica e longe do olhar do público esse ato consumou a passagem de uma sociedade disciplinar para uma sociedade biopolítica ou de segurança, para usar expressões “Foucaultianas”.

Por esse mundo fora, continuam a elevar-se tanto barreiras invisíveis como físicas do mais variado tipo, predominantemente sociais, raciais, religiosas e ideológicas.

A FOME

A pobreza extrema possui distintos significados mas resulta invariavelmente de processos de exclusão social e revela-se tanto no contexto mais amplo da sociedade como no universo particular dos indivíduos afetados, independentemente da situação política e económica de cada sociedade.

Se é verdade que as necessidades alimentares da humanidade jamais foram satisfeitas de um modo permanente, também é verdade que apenas uma mera fração é inteiramente saciada, sendo que a maioria da população mundial tem sempre subsistido de maneira precária, à margem da subnutrição.

Páginas