Está aqui

Artigos publicados

VERTIGENS

Andava em cima das ripas e dos andaimes como se fosse um bailarino. Andava tão alto nos andaimes e dançava ao som da música que o velho rádio tocava incessantemente desde as 8 da manhã, hora de pegar o trabalho, até às 5 da tarde, hora de largar o batente. Parecia um dançarino sem calças de licra. Tinha, no lugar das sabrinas de dança, botas de trabalho pingadas com restos de cimento e o pó da areia e do próprio cimento em si.

CICATRIZ

Caiu quando era pequenino. Andava brincando junto do monte, em cima de umas rochas e escorregou, bateu com a testa numa das pedras e fez um largo golpe, de onde o sangue começou a jorrar de imediato. O miúdo assustou-se e começou a chorar incessantemente, enquanto as lágrimas e o sangue se misturavam e desciam a sua pele de criança. As pestanas e a sobrancelha do lado esquerdo, onde a pedra fizera o corte estavam, todas elas ensanguentadas.

AS FIGUEIRAS DO BARLAVENTO

Antonieta deitou-se cedinho nesse dia. Mal o sol escapuliu atrás do monte e das azinheiras, comeu as sopas de pão junto com a família e pôs-se debaixo das mantas que, nessa altura do ano eram poucas pois os dias de calor já tinham chegado e não dava jeito nenhum dormir com mantas pesadas e quentes em cima, mais a camisa de dormir, num colchão de barbas de milho. Bem, com mais ou menos calor lá adormeceu tendo sempre na cabeça a manhã do dia a seguir.

70 MIL RÉIS

Uma história tantas vezes contada e vivida

 

O TALEIGO

ta·lei·go 

(árabe ta'lîqa, saco, bolsa)
 

substantivo masculino

1. Saco longo e estreito.

2. Cesto ou saco para transportar comida.

"taleigos", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/taleigos [consultado em 05-01-2017].

 

O BAILE DAS VÉSPERAS

Véspera de Natal. Sábado, dia 24 de dezembro de há muitos anos atrás. A noite caía cedo nessas alturas, aliado ao facto de não haver eletricidade e, portanto, sem qualquer luz artificial. Via-se apenas aquilo que a Lua e as estrelas alumiavam, lá de cima do céu, quando este estava aberto. Quando estava nublado ou chovia, era o breu completo e andávamos todos aos pontapés com as pedras e com as moitas na beira dos caminhos de cabra que existiam nessa altura.

FAMEL

O moço havia de ter os seus treze, catorze anos. Notavam-se na sua cara os primeiros pelos e as primeiras borbulhas da puberdade. O seu corpo começava lentamente a mudar e sentia-se também já na sua voz esganiçada que umas vezes era grossa e outras vezes de criança. Aquilo alternava e fazia o som de uma cana rachada muitas vezes, mas ele não se importava. Aliás não sabia muito bem porque é que aquelas mudanças todas estavam a acontecer. Mas se estavam, isso seria por uma boa razão, pensava ele.

CADEIRAS

O corredor era enorme, quase a perder de vista. Num daqueles palácios antigos, onde as pessoas iam, agora, todos os dias, onde sempre entravam e saiam, nunca passando lá mais tempo do que aquele extremamente necessário, havia uma peculiaridade. O corredor estava pintado de branco, em arco, quase em nada a cobrir as paredes. Nelas, de um lado, janelas grossas, com vidros baços e grades feitas de um ferro tão forte que lembra a nossa história antiga. Tinham, aliás, como não seria de esperar outra coisa, feitos nessa altura.

JANELA SEM VIDROS

O monte era um monte antigo, caiado e construído com pedras ali das redondezas. O casal que lá morava era tão velho, mas tão velho que atravessara já dois séculos e continuava ainda rijo como se tivessem vinte anos agora. Ao lado do monte, uma azinheira ainda mais velha do que o casal e do que a cal da parede da casa. Não era tão velha como as pedras que faziam da casa uma casa, mas era já bem avançada nos anos.

Páginas