Está aqui

Liderança

HOMENS (E MULHERES) DE NEGÓCIOS

Esta semana tive a oportunidade de rever o filme “The Company Men”, baseado na história de vários funcionários de uma grande empresa, que são forçados a reorganizar as suas vidas após uma “restruturação financeira” levada a cabo pela sua entidade patronal que os forçou a sair de um dia para o outro.

Habituados a vencimentos e prémios confortáveis, de um momento para o outro estes homens viram-se forçados a colocar as suas vidas na empresa em duas caixas e a partir para outra aventura, sem qualquer justificação plausível para o sucedido.

AS LIDERANÇAS DO FUTURO

É nos dias que correm que assistimos a um declínio e inflexão do crescimento económico, e prova disso mesmo é a estagnação da produção de riqueza “per capita” nos países desenvolvidos.

Várias foram as tentativas de equilibrar o estado deste contexto contemporâneo, contudo nenhuma polÍtica tem obtido o sucesso que almejava. Será que estamos a atingir o limite do paradigma produtivo ao qual nos fomos habituando? Eu diria que sim, que estamos prestes a assistir a um gigantesco salto tecnológico rumo a uma nova revolução industrial.

QUER SER COMO O CRISTIANO RONALDO?

A execução da autoridade vai-se esbatendo com o tempo e com a empatia que se cria. Uma pessoa chega e mostra quem é e o que pode fazer, afirma-se e estabelece regras. A liderança toda a gente deve senti-la e ninguém a ver. - José Mourinho

Há pessoas que pela sua personalidade são líderes natos. Outros são-no pelos atos e também há os que surgem por acaso, fruto das circunstâncias.

DITAR OU LIDERAR?

Em 1936 o mundo não tinha computadores, não havia tweets, pins ou posts no Facebook.

De lá para cá muita coisa mudou mas muita coisa mantém-se igual, por exemplo a forma como devemos tratar as outras pessoas.

A esse propósito e em 1936 Dale Carnegie, um talentoso orador e conferencista, que foi conselheiro de inúmeros líderes mundiais, lançou o seu livro “Como ganhar amigos e influenciar pessoas”, onde partilha as suas experiências de anos de liderança bem-sucedidos.

CHEFES AGRESSIVOS NÃO TÊM TEMPO PARA SEREM SIMPÁTICOS

Segundo Robert M. Sapolsky, um professor de Stanford e autor de Why Zebras Don"t Get Ulcers (Porque as Zebras não Têm Úlceras),  a indelicadeza e a má educação têm aumentado nas últimas décadas, sobretudo no trabalho. Muitos dos que incorrem nestes abusos dizem que não há tempo para ser simpático e que estão sobrecarregados. Os chefes agressivos podem ter matado o meu pai argumenta Robert, numa peça hoje publicada no Diário de Notícias.

SEJA LÍDER DA MUDANÇA

Alguns dos inovadores mais promissores, a nível mundial, partilham alguns segredos que criam alguns avanços no mundo – de modo a serem “fazedores de mudança”. De acordo com o Success, estas são as dicas:

 

Mostre o caminho a seguir

A CULTURA DE DESISTIR NAS EMPRESAS

A cultura de desistir está enraizada culturalmente e é normalmente um fenómeno de massas que funciona em espiral. O pessimismo e a “cultura do desistir” escondem as potencialidades, capacidades e oportunidades que por vezes nos rodeiam.