Está aqui

Arte

SPRING BREAKERS, (DIS)HARMONY ACCORDING KORINE AND DESPERATION (OVEREMPHASIS) OF ME

Não podendo ser de outra forma, que seja desta: releio um texto (não suporto a palavra!) com alguns meses sobre Spring Breakers. Palavras exaltadas e pouco medidas. Como se não bastasse, releitura mal dormida, após uma mudança de hora que roubou pelo menos uma. Definitivamente volve-se contra a mão que o escreveu (não ao ponto de cuspir no prato onde come e terá de voltar a comer), forma derradeira e galhofeira de masoquismo, mas esta última apenas por estar travestido de trecho de diário, como uma dentada nos calcanhares de tempos a tempos com o propósito de evitar o esquecimento.

BULLET IN THE HEAD

Bullet in the head (1990), de John Woo

ÉVORA PODE VER MAIS “ALÉM”

Évora pode agora ver mais “além” e pelos olhos dos fotógrafos Fábio Miguel Roque e Nick Tauro Jr., autores da exposição “Além|Beyond”.

Patente no Palácio de D. Manuel, em Évora – a partir de hoje e até final do mês – esta exposição retrata 24 horas de viagem destes dois artistas, que em 2016 fotografaram paisagens ao longo de 1.110 quilómetros, um no Alentejo, o outro no deserto norte-americano, afiançando os artistas que existem muitas semelhanças na estética do trabalho de ambos.

 

Imagem de cm-evora.pt

ODEMIRA COM SETEMBRO CHEIO

Em Odemira, o mês de setembro significa cultura.

Com o objetivo de promover a cultura do concelho, o seu património oral, artístico e patrimonial -  numa iniciativa da Câmara de Odemira – nasce o "Setembro Cultural” e que trazer à vila alentejana muita música, cinema, animação de rua, teatro e exposições ao ar livre, entre outras manifestações culturais como as comemorações do Dia do Município, as festas de Nossa Senhora da Piedade e o aniversário da Biblioteca Municipal.

TESHIGAHARA, ABE, TAKEMITSU E THE FACE OF ANOTHER

TESHIGAHARA, ABE, TAKEMITSU E THE FACE OF ANOTHER (1966)

OLIVEIRAS ALENTEJANAS INSPIRAM ARTISTA CANADIANA

Renée Gagnon é uma artista canadiana que reside em Portugal desde 1970.

Num fim de semana que passou em Monsaraz, ficou fascinada pelas oliveiras alentejanas. Daí para a frente dedicou-se à fotografia de oliveiras e, quatro anos depois, com fotografias de oliveiras de Portugal, Espanha e Itália, surge a exposição.

"Now and Ever" – composta por 15 fotos - está patente na Fundação Portuguesa das Comunicações, em Lisboa, até 30 de setembro.

NEW QUEER, OLD FREEDOM: TRASH CINEMA

The Living End (1992), Um filme irresponsável de Gregg Araki

O New Queer Cinema foi (ainda existe?) um movimento artístico a que podemos desde logo associar três nomes: Tom Kalin, Todd Haynes e Gregg Araki. Na sequência lógica, podemos anexar três filmes aos três nomes: Swoon, para Kalin - Poison, para Haynes - The Living End, para Araki. Sem esforço, numa espécie de composição construtiva, ainda nos é possível ir buscar um outro nome e um outro filme, Gus van Sant e My Own Private Idaho. É reduzir ao mínimo, mas fiquemos por aqui. Os anos charneira foram os de 1991 e 1992.

JOHNNY GOT HIS GUN

"Johnny Got His Gun", 1969. - Notas Soltas, imberbes e potencialmente contraditórias:

 

Quando a vertigem é cliché, e o cliché se mantém como essência do simbolismo, o que dessa sequência (lógica) subjaz? Um regresso à inocência do olhar, que, por sua vez, é a máquina reguladora da ficção (cinematográfica)? Ou já não é?

Um ou outro spoiler são inevitáveis, o que nada retira a quem não viu. Joe foi para a guerra e obteve a sua arma. Uma vez lá, apanhado à traição por um estampido súbito, pouco lhe restou.

ABERTAS AS CANDIDATURAS AO PRÉMIO FLORBELA ESPANCA

O Prémio Literário Florbela Espanca já está a aceitar candidaturas e a data limite é 15 de setembro.

Este é um prémio bienal – da responsabilidade do Município de Vila Viçosa, terra da poetisa – é com o valor de 2 500 euros e a publicação da obra com a chancela da autarquia.

O objetivo deste prémio é o de homenagear a obra da autora do “Livro de Mágoas” e do “Livro de Soror Saudade”, Florbela Espanca – nascida em Vila Viçosa a 8 de dezembro de 1894 - e podem concorrer obras literárias inéditas, este ano de ficção, e escritas em português.

Páginas