6 Maio 2017      11:34

Está aqui

REVISTAS

"PARALELO 39N"

A Dona Giralda apressou-se a sair de casa naquele dia. Bem, naquele dia e todas as semanas no mesmo dia, à mesma hora. A Dona Giralda, filha do Senhor Giraldo, senhorio de muitas casas na vila, mas já falecido há muito anos, era uma senhora que, sem nunca ter casado e sem filhos, vivia sozinha no casarão, com a ajuda da Dona Rosário que sempre a acompanhara toda a vida, como governanta da casa.

Onde iria Dona Giralda todas as semanas à mesma hora. Às 4 da tarde lá saía a mulher toda aperaltada, colar fino no pescoço, vestido de saia e casaco, brincos a condizer com o colar e nunca diferentes da cor do fato. A maquilhagem, impecável. Sapatos de meio salto e meia escuras. Malinha no braço direito e, sem hesitar, fechava a grande porta vermelha, dava duas voltas à chave ainda que lá dentro continuasse a Dona Rosário a passar o pano no pó, a encerar o chão de azulejos vermelhos.

Duas voltas à chave e os primeiros passos na calçada portuguesa, ora cumprimenta a vizinha do lado direito, ora cumprimenta a vizinha do lado esquerdo, a pessoa que se cruza com ela e até o senhor que no lado de lá da rua, tira o chapéu e abana a cabeça em jeito de reverência.

Não era uma mulher muito alta, a Dona Giralda. Tinham um cabelo meio longo, acertado junto ao pescoço e todo penteado. Era uma mulher de presença.

A vizinha do lado esquerdo diz à do lado direito: - Olha, lá vai a Dona Giralda ler as revistas. E acertavam sempre. Pensar-se-ia que ia à papelaria do fundo da rua, passar os dedos e os olhos pelas revistas da semana, ouvindo tal comentário. Mas não, Dona Giralda não ia à papelaria e as duas mulheres já sabiam. Não quiseram dizer tudo. Era assim como se fosse um código. Dona Giralda ia à cabeleireira como sempre fazia, todos as semanas, às quatro da tarde.

Nos outros dias, ficava em casa, sentava-se no cadeirão de couro, antigo, ligava a telefonia e, depois de ter enchido um fino copo de Porto vintage em cristal, sentava-se, lia o jornal e bebia o seu porto. Nos dias em que ia à cabeleireira, adiantava aí por uma hora e meia o seu ritual das quatro da tarde. Não que fosse pernicioso ou obnóxio, nas palavras que gostava de usar, mas alterando, tornara-se já a sua rotina. Não fazia nada que fosse improvisado, não fazia nada fora do contexto. Era preciso, para isso, um forte pretexto.

Na cabeleireira, sentava-se sempre na mesma cadeira. Na cabeleireira lia sempre a mesma revista. Fosse a Nova Gente, A TV 7 Dias, TV Mais, a Máxima ou a Cosmopolitan ou até mesmo aquelas de penteados. Que me desculpem as outras de que não me recordo. Folheava as primeiras páginas, lia atentamente as fotografias e via as palavras e exclamava: - Que pouca vergonha! E indignada, mudava a página. E a senhora que, com a tesoura afiada, escadeava o cabelo e, olhando para a senhora do lado que passava a tinta no cabelo de outra mulher em frente ao espelho, dizia: - Oh Dona Giralda, essa revista é do ano passado. Já a tinha lido. E lera já, e tivera já a mesma exclamação e indignação rotineira. Aliás, nas cabeleireiras, se repararmos bem, nenhuma das revistas está atualizada. Corrijam-me se estou enganado.

Todavia, A Dona Giralda, gostava de folhear as revistas enquanto aguardava o novo penteado, que era igual a todos os outros, como igual era a sua indignação rotineira. E, quando se sentava na cadeira em frente ao espelho, dizia detalhadamente à dona do salão como deveria fazer. Queria algo diferente, assim mais arrojado, queria fugir da rotina, dizia.

A dona do salão abanava a cabeça como sempre fazia, em sinal de aceitação e, ignorando as ordens dadas, porque as deveria ignorar, não mudou nada. Dona Giralda, exultante com o resultado final, olhou para o espelho de frente, e perfil, lado esquerdo, perfil lado direito e, sorrindo, deixou sair: - Era isto mesmo! Estou tão diferente. A dona do salão concordou, sabendo que a rotina se repetiria na semana seguinte e despediu-se. Arrumou as revistas no mesmo molho e desejou uma boa semana a Dona Giralda, como sempre fazia.

E assim foi todas as semanas até ao dia em que Dona Giralda adormeceu no cadeirão de couro com um copo meio de vinho do Porto em cristal. 

 

Imagem de buzzfeed.com

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.