15 Julho 2016      17:21

Está aqui

BIXUS MADE IN ALENTEJO

Chama-se Susana Cunha, é natural do Porto, viveu vários anos em Coimbra e vive em Évora há 23. Em 2006 criou a Bixus. E não só, com o objetivo de angariar fundos para esterilizar os animais da Associação Cantinho dos Animais de Évora, que preside desde 2013. Porta-chaves, individuais, bases para copos, carteiras... são apenas alguns dos produtos coloridos que, inspirada na temática animal, Susana cria. Fique a conhecer melhor este projeto em https://www.facebook.com/bixusenaoso/ ou http://bixusenaoso.blogspot.com

Tribuna Alentejo – Em que circunstâncias vieste para o Alentejo e o que te levou a ficar por cá?

Susana Cunha – Vim para Évora em 1993 para estudar (História, Património Cultural). Os amigos que fui fazendo, a cidade tal como era na altura e o facto ter conseguido trabalhar sempre naquilo que gosto fizeram com que fosse ficando…

Tribuna Alentejo – A ligação com o Cantinho dos Animais surgiu nessa altura ou mais tarde?

Susana Cunha – A ligação com o Cantinho dos Animais surgiu pela mão de uma colega da Universidade, na altura envolvida na causa. Conheci a associação e o trabalho que fazia, fui participando esporadicamente como voluntária e a partir de 2004 atirei-me de cabeça, até hoje…

Tribuna Alentejo – O que te levou a envolveres-te de uma forma tão ativa à defesa da causa animal?

Susana Cunha –Sempre vivi com animais (“domésticos”, desde o cão à tartaruga, passando pelo hamster e, claro, o gato), sempre me preocupei com os animais que viviam na rua ou que não eram tratados da forma como nós em casa tratávamos os nossos, sempre me repudiaram “espectáculos” como as touradas e outros em que os animais eram violentados, mas acho que só quando comecei a fazer voluntariado no Cantinho dos Animais e comecei a investigar e a perceber o que estava em causa é que tomei consciência do que era necessário fazer por eles e de como necessitam de protecção. E não falo só dos cães e gatos, com os quais lidamos mais no dia-a-dia e que gozam de mais simpatia pelas pessoas em geral.

Tribuna Alentejo – Em 2006 criaste a Bixus. E não só, com o objetivo de angariar fundos para esterilizar os animais da Associação. Em que medida é que estas peças que crias têm contribuído para o seu propósito?

Susana Cunha – A Bixus (vamos abreviar) é um projecto familiar (um hobby, na verdade) que envolve também a minha mãe, Manuela, e a minha irmã, Ana, e foi pela mão da Ana que em 2005 surgiram as primeiras peças (pregadeiras cabeça de gato), para “ver se pegava”. Pegou e fez sucesso! A partir daí envolvemo-nos as três, cada uma a fazer as peças que mais gostava e para as quais tinha mais jeito. Ao longo destes 10 anos e mais de 4000 peças criadas, conseguimos pagar a esterilização de mais de 50 animais do Cantinho dos Animais, numa altura em que não havia verba para o fazer e as esterilizações dependiam apenas de donativos, mas também ajudámos outros grupos e associações (de Évora e não só) a suportar esterilizações e/ou tratamentos medico-veterinários de animais de rua. Como de há alguns anos para cá é política do Cantinho dos Animais só entregar para adopção animais esterilizados e canalizamos verbas específicas para isso (provenientes da taxa de adopção), a ajuda da Bixus passou a abranger também a compra de medicamentos, vacinas ou cobrir outras necessidades da associação (e fazemos questão de tornar público, através do blog e da página de facebook, o destino da nossa ajuda).

Tribuna Alentejo – Em relação às peças em si, quando descobriste que tinhas este talento? Foi algo que sempre fizeste, tiveste alguma formação na área...

Susana Cunha – Na verdade sempre fui melhor aluna a texteis do que a electrotecnia… A minha mãe é dada aos trabalhos manuais e lá em casa havia sempre um tapete de Arraiolos a ser feito, uma camisola de malha a ser tricotada, as roupas das bonecas éramos nós que fazíamos, a escola foi essa! Ainda hoje é assim, há sempre um projecto em mãos! Tinhamos uma máquina Singer, daquelas antigas, e cedo comecei a experimentar coser “coisas”. Em adolescente atrevi-me várias vezes a fazer a minha própria roupa e o resultado não foi assim tão mau (saía à rua com ela!).

Muitas das peças não resultam à primeira, algumas ficam mais perfeitas do que outras, mas agrada-me muito o aspecto “feito à mão”!

Tribuna Alentejo – Para além da vertente social, o que distingue a Bixus. E não só de outras marcas que comercializam peças feitas à mão?

Susana Cunha – Tudo o que fazemos tem animais ou é para animais e isso leva-nos a puxar muito pela imaginação… Procuramos inspiração em tudo e depois damos à chave da criatividade.

Nunca fazemos uma peça igual à outra! E nunca é nunca mesmo! Nem por especial pedido! Isso faz com que cada pessoa que compra uma das nossas peças tenha algo absolutamente diferente e original. Não sei se isto nos distingue de outras marcas ou artesãos e se é melhor ou menos bom, ao longo destes anos temos contactado e conhecido pessoas de uma criatividade excepcional que produzem artigos fantásticos. Gostamos de pensar que os nossos “clientes” nos procuram porque se identificam com o que fazemos e para quem o fazemos.

Tribuna Alentejo – De todos os produtos, quais os que gostas mais de fazer?

Susana Cunha – Cada peça tem a sua altura e há peças que nunca podemos deixar de fazer, como os porta-chaves ou os pins (pregadeiras), independentemente do tempo, paciência ou criatividade do momento… Gosto muito de fazer os individuais “cabeça de gato” pelas milhares de combinações possíveis (lá está, são todos diferentes!) e pela utilidade que têm (curiosidade: foram pensados para servir de base para colocar as taças de água e comida dos gatos, mas rapidamente passaram para a mesa de refeição dos humanos!); gosto de fazer os “sininhos”, brinquedos para gato resultantes do aproveitamento de cápsulas de café, porque eles deliram com aquilo e poupam-me idas ao ecoponto; gosto de fazer as camas para gato, que os meus gatos fazem questão de experimentar e avaliar a qualidade (algumas depois já não podem ser vendidas…); gosto sobretudo quando tenho uma ideia nova para uma peça ou descubro um material com potencial… aí esse passa a ser o meu artigo preferido até ter uma ideia nova.

Tribuna Alentejo – Se um dos nossos leitores quiser adquirir um porta-moedas, por exemplo, como poderá fazê-lo?

Susana Cunha – Pode contactar-nos via facebook ou através do endereço bixusenaoso@gmail.com.

Melhor ainda será ir ter connosco, ao vivo! Onde quer que o Cantinho dos Animais vá, nós vamos atrás! Campanhas de adopção, feiras, etc… É estarem atentos às actividades da associação!

Tribuna Alentejo – Para além de apoiar o Cantinho dos Animais desta forma, que outras formas há de apoiar?

Susana Cunha – Há várias formas de apoiar o Cantinho dos Animais, basta querer! Podem associar-se (as quotas pagas pelos sócios são a única fonte de rendimento fixa da associação), ser voluntários (no abrigo, junto dos animais, ou nas várias campanhas ao longo do ano), ser FAT (Família de Acolhimento Temporário, fundamentais para acolher animais em convalescência, ninhadas com ou sem mãe, animais que por alguma razão não podem entrar imediatamente no abrigo…), fazer donativos (em dinheiro ou géneros)… Se tiverem uma empresa podem aderir ao Projecto Empresa Solidária e/ou estabelecer protocolos com a associação… Podem organizar actividades solidárias… Qualquer ideia e ajuda é bem-vinda! (cantinhodosanimais@gmail.com).

 

Tribuna Alentejo – Há alguma mensagem que queiras deixar aos leitores do Tribuna Alentejo?

Susana Cunha – Quero agradecer ao Tribuna Alentejo a oportunidade de dar a conhecer o nosso projeto. Embora a Bixus exista há 16 anos e tenhamos já conquistado vários amigos, é a primeira vez que falamos de nós desta maneira… Esperamos que com esta visibilidade possamos conseguir levar o projeto mais além e ajudar o Cantinho dos Animais, nosso objetivo único.

 

 

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.